skip to Main Content
Molécula De Esponja Marinha Inibe Crescimento De Câncer De Colo Do útero

Molécula de esponja marinha inibe crescimento de câncer de colo do útero

Cientistas dos EUA, da Indonésia e da Malásia descobriram que a molécula manzanina A, produzida por uma esponja marinha encontrada na Baía de Manado, na Indonésia, é capaz de interromper o crescimento de células cancerígenas no colo do útero.

Os resultados do estudo foram publicados no Journal of Natural Products e, segundo os pesquisadores, podem abrir portas para a criação de novos tratamentos para a doença. “Os produtos naturais levaram ao desenvolvimento de grande parte de nossas terapias com antibióticos, anticâncer e para controle da dor”, explicou Mark T. Hamann, professor do Departamento de Descoberta de Drogas e Ciências Biomédicas da Universidade Médica da Carolina do Sul e um dos autores do trabalho científico.

Em estudos anteriores, o grupo de pesquisa de Hamann já havia identificado que compostos derivados de esponjas marinhas são eficazes contra células de câncer de pele melanoma, câncer de próstata e de pâncreas. A manzamina A também já se mostrou eficaz contra o parasita responsável pela malária, curando roedores com uma única dose.

Como foi feita a pesquisa

Os cientistas examinaram a capacidade da manzanina A em inibir o crescimento e provocar a morte de células de diferentes linhas de câncer cervical.

A substância foi capaz de inibir o aumento dessas células e causou a morte de algumas delas.

A manzanina A não teve o mesmo efeito em células normais não cancerosas.

“Esta é uma nova aplicação altamente empolgante para uma molécula que anteriormente mostrou um potencial significativo para o controle da malária e tem boas propriedades semelhantes às drogas”, disse Hamann. Obviamente, os resultados ainda são muito preliminares e o próximo passo é avançar com pesquisas para identificar se a manzanina A tem eficácia clínica.

Segundo o Inca (Instituto Nacional de Câncer), 16.500 mulheres terão câncer de colo de útero no Brasil em 2020. Excluindo o câncer de pele, esse é o terceiro tipo de tumor maligno mais comum entre a população feminina, atrás do câncer de mama e do câncer colorretal; e a quarta causa de morte de mulheres por câncer no país.

A doença é provocada pelo HPV (hapilomavírus humano), transmitido no sexo sem proteção. As principais formas de prevenir o problema são a vacinação (oferecida pelo Ministério da Saúde para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos), o uso de camisinha nas relações sexuais e a realização de exame preventivo (Papanicolau) regularmente após os 25 anos.

Fonte: UOL 

Back To Top