skip to Main Content
Doação De Sangue Regular: Um Hábito De Salvar Vidas

Doação de Sangue Regular: um hábito de salvar vidas

Com a pandemia, a situação dos hemocentros se tornou ainda mais sensível. Além da baixa circulação de pessoas, o fato da população estar adoecida também contribui para a queda no número de doações de sangue. E em uma troca de papéis, é possível que essas mesmas pessoas passem a necessitar de transfusões sanguíneas, potencializando uma demanda nos bancos de sangue que já é precária. 

De 3 a 4 vezes por ano

Ser doador de sangue regular é um ato de amor e de esperança contínua para aqueles que precisam. Mulheres podem doar sangue a cada 90 dias e homens a cada 60 dias. Ou seja, em um ano as mulheres podem doar sangue até 3 vezes e os homens até 4 vezes, porém a quantidade de doadores voluntários ainda é pouca no Brasil, apenas 1,6% da população. 

Por isso, na semana do dia mundial do doador de sangue, o Movimento TJCC reforça a importância da doação como um hábito a ser multiplicado. Se considerarmos que, cada bolsa de sangue pode salvar até 4 vidas, no final de 12 meses, teremos milhões de pessoas ajudadas pela doação regular. Pacientes com câncer, doenças raras no sangue, vítimas de acidentes e até os que estão com Covid-19 e precisam de transfusão poderão ser beneficiados.

Hábito Seguro

Respeitando os critérios e os intervalos recomendados, homens e mulheres saudáveis poderão realizar a sua doação com segurança, mesmo na pandemia. 

Em todo o país, a maioria dos hemocentros estão funcionando com atendimento pré-agendado e seguem as recomendações das autoridades sanitárias para evitar aglomerações entre os doadores. Em reforço ao cuidado, use máscara de proteção facial, tenha álcool em mãos e ligue no hemocentro ou ponto de coleta mais próximo para obter informações sobre o agendamento. 

Acesse o site do Redome e consulte os locais para doação a partir do seu CEP e Estado. Ou então, ajude os bancos de sangue que estão precisando de doações e receba notificações pelo recurso do Facebook.

 

Referências 

Governo do Brasil 

Pró-Saúde 

Back To Top