skip to Main Content
Excesso De Peso Aumenta Mais De 70% Entre Jovens De 18 E 24 Anos

Excesso de peso aumenta mais de 70% entre jovens de 18 e 24 anos

Nos últimos 15 anos, a taxa de excesso de peso dos jovens brasileiros de 18 a 24 anos aumentou de 20,65%, em 2006, para 35,71%, em 2021 – uma alta de mais de 70%. Em pessoas de 25 a 34 anos, houve um salto de 37,67% para 54,41%, com um crescimento de 44% no período. Os dados foram obtidos por meio do sistema Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), do Ministério da Saúde.

De acordo com Gilberto Kac, professor titular do Instituto de Nutrição Josué de Castro da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o sobrepeso não é um fenômeno novo, mas aumenta a cada ano.

Não tem dúvida que o excesso de peso e obesidade são problemas graves. Eles podem gerar diabetes, hipertensão, vários tipos de câncer, problemas osteoarticulares e cardiovasculares. Observamos que esse obstáculo cresce cada vez mais em países desenvolvidos, como no Reino Unido e Estados Unidos, mas, nos últimos anos, vemos isso principalmente em países subdesenvolvidos e de baixa renda, como o Brasil.

Kac ressalta que é mais comum que esses problemas de saúde se manifestem em pessoas mais velhas. Mas, segundo o nutricionista, os jovens podem sofrer riscos precoces de acordo com o quadro de saúde, principalmente em casos de sedentarismo.

Além dos jovens, pessoas acima de 35 anos engordaram acima da média do país em todos os anos disponibilizados pelo Ministério da Saúde. Em 2006, 48,55% dos brasileiros apresentavam sobrepeso na faixa etária de 35 a 44 anos. Em 2021, esse número foi de 62,38%. O mesmo ocorreu nos indivíduos de 45 a 54 anos: de 54,74% saltaram para 64,39%.

No intervalo da faixa etária de 55 a 64 anos, a diferença foi de 9,89 pontos percentuais: subindo de 56,81% para 64,06%. Pessoas acima de 65 anos tiveram uma mudança de 52,39% para 60,72%.

O professor Gilberto Kac analisa que há diversos fatores que impulsionam esse aumento, como o sistema alimentar atual e a falta de atenção do poder público.

Existe uma questão de poder aquisitivo e de acesso. Há vários conglomerados industriais que pressionam esses indivíduos, por meio do marketing, para fazer o consumo de produtos ultraprocessados, como biscoitos e refrigerantes, e outros itens com características de baixo custo. Além disso, a falta de regulamentação governamental e a rotulagem frontal desses produtos deveriam ter programas muito mais avançados para proteger a população desse tipo de formação de paladar.

Em dados gerais, 42,74% da população brasileira estava acima do peso em 2006. Já em 2021, último ano divulgado pelo sistema do órgão federal, esse índice era de 57,25%.

Economia afetada

Os problemas de saúde causados pelo sobrepeso podem afetar até a economia, segundo a economista e professora da Ibmec Vivian Almeida. Ela explica que quanto mais pessoas doentes, maiores as chances da produtividade do mercado ser atingida negativamente.

‘Pessoas com doenças crônicas, de todas as faixas etárias, podem afetar a produtividade, principalmente os jovens, que são a raiz e energia da população economicamente ativa. O físico faz grande parte disso, desde o trabalho braçal até o intelectual. Então isso tende a escalonar. É um processo e um problema instigante, que pode afetar o PIB do país. A economia somos nós. A pessoa é a economia. Se a saúde da pessoa não estiver boa, nada estará 100%’, avalia.

Além da saúde, Vivian pontua que a alta nos preços dos alimentos causados pela inflação faz com que as pessoas procurem uma saída, como alimentos mais baratos e ultraprocessados.

‘É possível observar uma perda do consumo há um tempo. Paulatinamente e de modo convergente, a perda de renda e o consumo mostra uma piora na alimentação. Exemplo disso temos os ultraprocessados, que são atrativos por muitas questões: mais baratos, acesso. Se observarmos pelo lado do consumo, esse vai sendo o efeito no corpo do brasileiro. Em média, a piora de alimentação está relacionado à piora de saúde’, completa a especialista.

 

Fonte: CNN Brasil 

Back To Top