skip to Main Content

Como funciona pílula para prevenir câncer de mama aprovada na Inglaterra

Dezenas de milhares de mulheres em Inglaterra podem beneficiar de um medicamento que ajuda a prevenir o câncer de mama. O anastrozol, utilizado durante muitos anos para tratar a doença, foi agora licenciado como opção de prevenção à doença.

Estudos recentes mostram que o medicamento pode reduzir a incidência de câncer de mama em quase 50% em mulheres que já passaram pela menopausa com risco moderado ou elevado da doença.

As instituições de saúde da Inglaterra disseram que a autorização foi ‘um grande passo em frente’ para mulheres com um histórico familiar significativo de câncer.

Estima-se que 289 mil mulheres poderiam ser elegíveis para o medicamento apenas na Inglaterra.

No Brasil, o medicamento, vendido em farmácia, é autorizado para o tratamento da doença – e não para o uso preventivo.

O uso poderia prevenir 2 mil casos de câncer da mama na Inglaterra, segundo o NHS (sistema de saúde pública), o que poderia poupar ao serviço de saúde 15 milhões de libras em custos de tratamento.

A partir de agora, qualquer mulher preocupada com um risco de câncer de mama superior ao normal pode contactar o seu médico de família, que a pode encaminhar para um especialista para uma avaliação completa do risco, tendo em conta o histórico familiar.

O anastrozol não está patenteado, o que significa que mais de uma empresa pode fabricá-lo e o medicamento pode ser distribuído de forma bastante barata. No Brasil, o medicamento genérico custa cerca de R$ 30.

Recomendado pela primeira vez como opção preventiva pelo Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados do Reino Unido, em 2017, o uso do anastrozol desta forma foi agora licenciado pela Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde como parte do programa de reaproveitamento de medicamentos do NHS.

Lesley-Ann Woodhams, de 61 anos, acaba de completar um tratamento de cinco anos com um comprimido de anastrozol por dia.

Tomar esta decisão foi ‘uma decisão fácil, pois vi a minha mãe lutar contra o câncer da mama’, diz.

‘Eu poderia viver sem me preocupar constantemente ou sem pensar no que poderia acontecer se eu desenvolvesse câncer de mama’, diz Lesley-Ann.

“Foi realmente um presente. Deu paz de espírito à minha família e a mim mesmo e, mais importante, um futuro pelo qual esperar.”

O professor Peter Johnson, diretor clínico nacional de câncer do NHS, disse ao programa Today, da BBC Radio 4, que o medicamento é uma perspectiva ‘muito atraente’ para aqueles com alto risco de câncer de mama.

Ele disse que as pesquisas científicas indicaram que o medicamento é eficaz na proteção contra a doença e tem menos efeitos colaterais do que o tamoxifeno, que já estava disponível como tratamento preventivo no Reino Unido.

“As pessoas têm estado particularmente preocupadas com coágulos sanguíneos e também, em alguns casos, com o desenvolvimento de câncer do endométrio [quando tomam tamoxifeno]. O anastrozol não parece fazer isso, por isso é uma ideia mais atraente”, diz Johnson.

Mas ainda existe o risco de alguns efeitos colaterais da droga, que podem ser semelhantes aos sintomas da menopausa, como ondas de calor, náusea, artrite, dor de cabeça e fraqueza.

O NHS recomendou às pacientes que sofrem de efeitos colaterais que conversem com seus médicos ou farmacêuticos.

O anastrozol funciona bloqueando uma enzima chamada aromatase para reduzir a hormônio estrogênio.

O tratamento é administrado em comprimidos de 1 mg, uma vez ao dia, durante cinco anos. O efeito preventivo dura anos depois que a mulher interrompe o uso do medicamento, disseram as autoridades britânicas.

‘A extensão da licença do anastrozol para cobrir seu uso como tratamento de redução de risco é um grande passo que permitirá que mais mulheres elegíveis com um histórico familiar significativo de câncer de mama possam reduzir a chance de desenvolver a doença’, disse Delyth Morgan, executiva-chefe da Breast Cancer Now.

O câncer de mama é o mais comum na Inglaterra, com mais de 47 mil pessoas diagnosticadas a cada ano.

No Brasil, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), são 73,6 mil casos por ano. 18 mil mortes por câncer de mama são esperadas a cada ano no Brasil.

Oito em cada 10 desses casos são diagnosticados em mulheres com mais de 50 anos.

Mulheres com uma mutação em um dos genes BRCA correm o risco de desenvolver câncer de mama e de ovário.

A maioria das mulheres no Reino Unido tem 15% de probabilidade de desenvolver a doença durante a vida, mas isso aumenta significativamente se tiver a mutação.

Em cada 100 mulheres que têm uma mutação no gene BRCA1:

  • 65 a 85 anos vão desenvolver câncer de mama durante a vida (risco de 65 a 85% ao longo da vida)
  • 40 a 63 anos vão desenvolver câncer de ovário (risco de 40 a 63% ao longo da vida)

Em cada 100 mulheres que têm uma mutação no gene BRCA2:

  • 40 a 85 anos terão câncer de mama durante a vida (risco de 40 a 85% ao longo da vida)
  • 10 a 27 anos vão desenvolver câncer de ovário (risco de 10 a 27% ao longo da vida)

Mulheres com mutações BRCA também têm maior probabilidade de desenvolver câncer de mama em idades mais jovens.

Se a paciente tem histórico familiar de câncer, pode fazer um teste genético para descobrir se herdou esses genes.

O ministro da Saúde da Inglaterra, Will Quince, disse estar ‘encantado’ com o fato de o medicamento ter sido aprovado para ‘ajudar a prevenir esta doença cruel’.

“Já vimos o efeito positivo que o anastrozol pode ter no tratamento da doença quando foi detectado em mulheres pós-menopausa e agora podemos usá-lo para impedir o seu desenvolvimento em algumas mulheres”, acrescentou.

A executiva-chefe do NHS, Amanda Pritchard, diz que o licenciamento do anastrozol ‘representa o primeiro passo para garantir que a opção de redução de risco possa ser acessada por todos que possam se beneficiar dela’.

 

Fonte: BBC Brasil 

Back To Top