skip to Main Content
Janeiro Verde Alerta Para Prevenção Do Câncer Do Colo Do útero

Janeiro Verde alerta para prevenção do câncer do colo do útero

Papanicolau é a principal forma de rastreamento da doença

A Campanha Janeiro Verde da Sociedade Brasileira de Cancerologia,  promove a conscientização sobre o câncer do colo do útero, que é o terceiro tumor mais presente nas mulheres. O principal método de detecção precoce é o exame de Papanicolau.

Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA) de 2020, o câncer do colo do útero atinge mais de 16 mil mulheres por ano no Brasil. Apesar da alta incidência, a doença é altamente prevenível. O Ministério da Saúde divulgou que são 5.700 mortes por ano, representando a quarta causa de morte por câncer entre mulheres no país. 

O presidente da Sociedade Brasileira de Cancerologia (SBC), Dr. Ricardo Antunes, afirma: 

“Esse alto índice de tumores do colo do útero está diretamente relacionado às condições sócio-econômicas da população. E à falta de campanhas efetivas de prevenção e detecção precoce da doença”. 

O especialista explica que o câncer do colo do útero, também conhecido como câncer cervical, é causado pela infecção persistente por alguns tipos do Papalomavírus Humano – HPV.

Indicadores de Câncer do Colo do Útero

O Movimento Todos Juntos Contra o Câncer (Movimento TJCC) – uma coalizão com mais de 200 organizações da Oncologia no país – apoia o Janeiro Verde. Para promover a conscientização e monitorar a implementação da Política Nacional para Prevenção e Controle do Câncer (PNPCC), criou os Indicadores de Câncer do Colo do Útero. Com os dashboards, visa dar suporte aos líderes da Saúde na construção de planejamento estratégico e políticas públicas baseados em dados abertos.

O engajamento de toda a sociedade é essencial para a erradicação do câncer de colo do útero, por isso, a partir das diretrizes da Declaração para Melhoria da Atenção ao Câncer no Brasil, estes indicadores foram realizados pela Moka Info, organização voluntária do Grupo de Trabalho de Dados Públicos e Privados, em cooperação com o Grupo de Trabalho de Saúde da Mulher, formado pelas organizações Pense Pink, Américas Amigas e Instituto Avon, do Movimento TJCC.

A relação entre  HPV e o câncer  

HPV é a abreviação do termo em inglês: Human Papiloma Virus. Segundo a Sociedade Americana de Câncer, os HPVs são um grupo de mais de 100 vírus relacionados. Para cada grupo de HPV é atribuído um número, o qual é chamado de tipo de HPV. 

A maioria dos tipos de HPV causa verrugas na pele, podendo aparecer nos braços, tórax, mãos ou pés. Outros tipos são encontrados principalmente nas membranas mucosas do corpo – camadas superficiais úmidas que revestem os órgãos e partes do corpo que se abrem para o exterior – como a vagina, o ânus, a boca e a garganta. Os tipos de HPV encontrados nas membranas mucosas, às vezes, são chamados de HPV genital. 

O HPV pode ser descoberto facilmente no exame preventivo Papanicolau e são curáveis em quase todos os casos. Por isso, é importante a realização periódica deste exame.

“O papanicolau é um procedimento simples que analisa amostras de células recolhidas do colo do útero, por meio de raspagem com uma espátula e escovinha. O material é analisado em laboratório e pode detectar lesões pré-cancerosas. Com isso, a paciente pode ser tratada precocemente, antes que a lesão resulte em um câncer. É um modelo muito eficaz de rastreamento”, explica Dr. Glauco Baiocchi Neto, dirigente do Departamento de Ginecologia Oncológica do A.C.Camargo Cancer Center.

Chamado internacional 

Em 2018, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou um chamado internacional pela erradicação do câncer do colo do útero. A agência estabeleceu três metas centrais, as quais foram adaptadas à realidade brasileira. Confira-as a seguir: 

  • Vacinação contra o HPV de 90% das meninas e adolescentes de até 15 anos de idade. 
  • Realização anual de exames de Papanicolau (cobertura de colpocitologia oncótica) de pelo menos 30% da população feminina de 25 a 65 anos. Desta forma, a cobertura de preventivos tem o potencial de atingir 90% em 3 anos. 
  • Acesso e tratamento no estágio inicial da doença pelo menos 90% da população. 

Em novembro de 2020, a OMS reiterou a importância de tais metas ao lançar a Estratégia Global para Eliminação do Câncer do Colo do Útero

A realidade brasileira 

Infelizmente, nos últimos anos, a vacinação contra HPV não foi oferecida nas escolas da rede pública. Observou-se a redução da cobertura vacinal média de aproximadamente 90%, em 2014, para 52% em meninas e 22% em meninos em 2019. Ademais, dados do Ministério da Saúde demonstram que apenas 16% das mulheres de 25 a 65 anos realizam exames ginecológicos no Brasil, estando longe das indicações da OMS. 

É imprescindível a implementação de políticas públicas eficientes de prevenção, que contemplem campanhas de vacinação e exames preventivos que devem ser assegurados pelas unidades básicas de saúde. Vale ressaltar que a vacina não substitui o Papanicolau – um exame de rastreamento sensível, seguro e barato, que detecta as lesões estimuladas pelo vírus HPV. 

Fique de olho nos sintomas 

Os principais sintomas do câncer do colo do útero são: sangramento vaginal, principalmente depois da relação sexual, dores pélvicas, desconforto abdominal e, nos casos avançados, inchaço na região pélvica. “Você tem mais de 80 subtipos do HPV, os mais perigosos são o 16 e 18, associados com a maior parte dos tumores do colo do útero e da área da vulva, canal anal, pênis dos homens e na região da faringe de homens e mulheres.” Afirmou dr. Fernando Maluf, oncologista e fundador do Instituto Vencer o Câncer, em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan. 

 

Fontes: http://www.sbcancer.org.br/janeiro-verde-alerta-para-o-cancer-do-colo-do-utero/ 

https://observatoriodeoncologia.com.br/indicadores-de-colo-do-utero/

https://sboc.org.br/guias-e-infograficos/item/2137-cancer-de-colo-do-utero 

https://www.cancer.org/cancer/cancer-causes/infectious-agents/hpv/hpv-and-cancer-info.html

https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/07/15/papanicolau-e-a-principal-forma-de-rastreamento-de-cancer-do-colo-do-utero/ 

 

Back To Top